Prefácio da Dominatrix

 Olá queridos Voluptianos.

 

Faz tempo que não venho falar com vocês... Não me levem a mal pela ausência. Realmente a Voluptas e todo o conjunto dela me toma um bom tempo; sem contar todas as mil outras funções que eu tenho diariamente, que a maioria sequer imagina.

 

Sábado teremos mais uma festa na mansão e desta vez ela terá um tema fetichista. Dominatrix chega trazendo um clima de sensualidade e mistério com uma pitada de fantasia, própria dos quadrinhos de Gene Simmons e Sean Taylor.

 

Antes dela acontecer eu preciso esclarecer algumas coisas.

 

Para algumas pessoas que acham que a Voluptas é um empreendimento eu já respondo:

Não é!

Eu realmente me dedico em outras várias profissões.

 

A Voluptas cresce a cada dia, e quando eu a criei despretensiosamente, não imaginava que agregariamos tanto em número e qualidade. Fui surpreendida por saber que em nosso país e fora dele (afinal já vieram do exterior para nossas festas), muitas pessoas tem a qualidade humanitária que eu sempre idealizei para o swing.

 

Não estou falando de "swing raíz", pois desse temos aos montes por aí. Também não falo sobre o "swing moderno", que é o que tentam fazer dele em baladas que visam lucro, moda e aparências. Eu falo da criação de um ambiente conciso, sólido e principalmente coerente. Onde pessoas maduras emocionalmente podem vivenciar experiências incríveis em um ambiente acolhedor e de bom nível.

 

Alguns me perguntam o porque os valores dos vouchers não se assemelham à uma balada convencional liberal. A resposta é elementar: porque eu paro minha vida, alugo uma mansão por 3 ou 4 dias para fazer um evento de algumas horas que será servido o jantar, petiscos e tudo aquilo, que vocês que já foram nas festas sabem. Eu poderia alugar uma mansão ainda maior, colocar 300 pessoas nela, fazer open bar e simplesmente deixar a noite acontecer como em todas as outras noites liberais de São Paulo, cheias de singles, pessoas bêbadas e dançarinas nuas. Poderia montar uma Voluptas fixa. Olha que maravilha! Mais uma casa de swing para vocês frequentarem! Mas seríamos a Voluptas? Teríamos todo o cuidado na aprovação e aceitação de novos membros? Teríamos controle sobre ela?

 

Acho muito engraçado pessoas que chegam nas festas pela primeira vez, principalmente na festa da mansão e se perguntam: Porque não se parece com uma balada? 

Antes de responder eu faço uma pergunta a vocês: Porque então, vocês procuraram a Voluptas? Porque desejaram fazer parte de uma sociedade secreta? Balada e casa de swing vocês já tem. 

Não precisam de mais uma, caso contrário não teriam se cadastrado na Voluptas, afinal, eu acho que escrevo muito bem no blog o que ela representa. Falta leitura? 

 

A resposta: Eu não quero fazer dela mais uma. Simples, curta e direta! Melhor resposta não há!

 

E é por isso que eu não fiz o post na última festa (espero que tenham reparado). Eu definitivamente estava "sem saco" pra isso! Cansa falar o óbvio toda vez. Cansa as pessoas não quererem dar um passo rumo a evolução (a festa foi muito boa, antes que pensem o contrário). Eu que realmente precisei tirar um tempo para meus pensamentos e para analisar algumas pessoas que entraram, e outras que estavam, que eu precisei banir sem alarde. Era o momento da reestruturação. Eu precisava refletir sobre o tipo de frequência que temos tido nas festas e sobre manter a essência daquilo que eu criei. Inclusive minha equipe profissional quase inteira foi substituida (vocês irão notar novos rostos).

 

Não quero parecer ser grossa, mas evolução é diferente de mudar parâmetros criacionistas. A criação dela original precisava ser mantida a todo custo, e esse post vem trazer um alerta.

 

Aos que vem pela primeira vez, sejam bem vindos a um novo conceito, portanto, esteja aberto para ele. Vocês estão vindo para algo diferente do que já puderam frequentar, e estar aberto a novas amizades e novos horizontes é essencial. Se o tesão está a mil por hora, não esperem ninguém. Comecem vocês o sexo de vocês! Pode ter certeza que o restante acontecerá. Aproveitem a noite e busque dar o primeiro passo para vocês, nem que esse primeiro passo seja somente se apresentar! Ficar parado em um canto esperando o milagre da putaria acontecer não é a melhor das opções!

 

Como eu sempre digo: sejam a festa. Façam a festa! Vocês são a festa!

Caso contrário, eu abriria a Voluptas ao público e pronto. Mais uma casa de swing onde ninguém é obrigado a conversar com ninguém. Não que na Voluptas seja, mas somos uma sociedade e sociedade já tem definição no dicionário:

    • agrupamento de seres que convivem em estado gregário e em colaboração mútua.

      "s. humana"

    A colaboração mútua, explica o valor dos vouchers. Afinal, a festa precisa acontecer. E se eu não coloco 300 pessoas naquela mansão, não tem como fazer diferente, correto?

 

Não sou fornecedora e vocês não são clientes. Eu sou idealizadora e vocês são membros! Todos temos que contribuir de alguma forma, caso contrário viramos uma instituição filantrópica do sexo de bom nível para os menos favorecidos.

Se eu precisar fazer isso, pode ter certeza que meus esforços de doação serão para um orfanato, e não para a festa de swing.

 

Dispensa maiores explicações...

 

Não somos uma casa escura cheia de labirintos e buracos. Não fazemos festas rave na mansão. Somos pessoas de alto nível sociocultural que não perturbam os vizinhos aos arredores da festa e que fazem ao longo do tempo amigos opostos ao nosso convívio social rotineiro. Somos pessoas que podem transar e pessoas que podem falar sobre tudo. Assim que é, e assim que sempre vai ser!

 

Somos todos, pessoas elegantes, cheias de desejo em uma casa de bom nível, confortável, enigmática e que merece ser preservada e zelada! Espero que todos direcionem o próprio lixo ao lixo! É um absurdo preservativo no chão ou em móveis! Nossas profissionais não precisam passar por isso, correto? É humilhante e degradante! Não faz parte do nosso nível. Espero ver o oposto do que mencionei. 

 

A Voluptas... Ela é mágica! 

Algo que você só imaginou em um filme ou leu em algum tipo de livro. Mas esteja aberto a enxergar essa magia, ao invés de se posicionar como consumidor. Lembra sobre a definição de sociedade que eu falei acima?

 

Aos que já frequentam a Voluptas e interagem sexualmente e os que vem pela primeira vez, muito cuidado com o respeito! Eu realmente estou com baixa tolerância a pessoas invasivas. 

Observem a linguagem corporal e se dediquem a algo novo: cativar, paquerar, conversar.

 

Hoje eu descobri o que me cativa: A conquista!

Sem ela, sexo não faz sentido... E eu vou confessar: meu tesão está a mil por hora, e nessa festa espero poder aproveitar!

 

Conto com vocês para uma noite incrível! Estarei lá de braços abertos e com todo o amor do mundo, para aqueles que desejam recebê-lo!

 

Já reparou que esse post não foi muito suave né? Sim, eu já encarnei a Dominatrix (chicote estralou hoje).

 

Beijos e até sábado!

 

Camila

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque